Artista pinta Rondônia em quadros temáticos em avenida de Porto Velho

Avalie essa página

Há um mês expondo seus quadros aos domingos em frente ao restaurante na cidade de Porto Velho da família, Stive Bustamante Munoz diz que resolveu aproveitar que estava desempregado para investir naquilo que realmente gosta de fazer: pintar. Com quadros que variam de R$ 50 a R$ 300, a temática preferida do pintor é o regionalismo. “Eu gosto das cores da região e de pintar os pontos turísticos de Porto Velho”, diz o artista.

Em meio ao cheiro de churrasco do restaurante da família, no domingo (17), nem a chuva fina desanimou Stive de expor seus quadros na Avenida Jorge Teixeira, próximo à Avenida Migrantes. “Aqui é um bom lugar, chama muita atenção. Já expus em outros lugares da cidade, mas gosto mesmo é daqui”, completa ele.





Stive conta que trabalhava como marceneiro em outro negócio da família, mas há seis meses, quando a marcenaria foi fechada, ele decidiu tentar ganhar dinheiro para viver da arte. “A necessidade faz o homem. Mas eu resolvi aproveitar e fazer o que eu mais gosto”, ressalta Stive.

O artista pinta há mais de 15 anos. “Antes disso eu já desenhava, mas sempre sentia que faltava preencher aquelas gravuras com cores. Então fiz um curso e fui me aprimorando na pintura. Antes eu pintava só nas horas vagas, bem devagar. Agora eu fiz disso a minha profissão”, explica.

Prova de que as obras chamam a atenção de quem passa, é o economista Noel Leite do Nascimento. “Eu estava passando pela avenida e resolvi parar. As obras chamaram bastante a minha atenção. Pretendo comprar várias para colocar nas áreas comuns do condomínio onde moro”, disse Noel.

Mas o dinheiro das vendas ainda não garante o sustento do artista. “Ainda não dá para sobreviver só disso, mas tenho planos de montar uma galeria e conseguir me sustentar da arte. Por enquanto eu estou conseguindo dinheiro suficiente para repor os materiais que utilizo. Já é um começo”, se anima Stive.

Segundo o artista, o carro chefe de suas obras é a pintura de uma das locomotivas da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFMM). “Vendi pelo menos uns três quadros deste. Todo mundo gosta. É uma das maiores representações do estado”, completa.

Fonte: G1

 





Deixe seu comentário