Produção de reassentados de Porto Velho é comercializada em feira

Avalie essa página

Na manhã desta sexta-feira (28) os agricultores de cinco reassentamentos rurais de Porto Velho, realizaram a 3ª edição da Feira Sabor do Campo, no estacionamento do Palácio Rio Madeira, na Avenida Farquhar. Os produtores comercializam os excedentes da colheita de subsistência e dizem que a feira deveria ocorrer ao menos uma vez por semana, já que a produção supera as necessidades das comunidades.

O agricultor do reassentamento São Domingos Antônio Varini contou a reportagem que o lucro dos produtores seria bem maior se vendessem direto ao consumidor. “No reassentamento eu vendo para o atravessador [comerciante que compra do agricultor e vende para os supermercados] por um preço bem menor, na feira eu vendo o produto ao consumidor direto, por isso consigo um preço melhor. Seria importante se tivéssemos uma feira como essa, toda semana, para vender os produtos”, relata.





Varini explica que para o atravessador um quilo de maxixe sai por R$ 1,40; na feira, o preço aumenta para R$ 4. Um maço de salsinha vendido a R$ 0,30 no reassentamento pode ser vendido por R$ 1. “Tenho que vender barato para o atravessador porque até chegar ao consumidor final o valor aumenta ainda mais. Aqui na feira, como vendo ao consumidor direto, posso cobrar mais”, diz.

Participante desde a primeira edição, Nelson Baptista, do reassentamento Santa Rita, ressalta que o lucro seria melhor se pudessem ter mais edições da feira. O mesmo diz Valdirene Pereira dos Santos. “Temos muitos produtos sobrando. Nossa produção é muito boa. Deveríamos ter mais oportunidades de vender aqui na cidade”, comenta.

O supervisor técnico da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Janderson Dalazen, explica que a ideia é transformar o ‘Sabor do Campo’ em comércio fixo todas as sextas-feiras. Para isso, está sendo elaborado um projeto para regularizar a feira, que é realizada pela Emater, em parceria com as associações dos reassentamentos e a  Santo Antônio Energia.

Fonte: G1





Deixe seu comentário